Máfia Chieppe

| Posted in | Posted on sexta-feira, fevereiro 11, 2011

A Familia Chieppe é dona  da Águia Branca, da  Total Linhas  Aéreas, da Vitória  Motors, Vitória Diesel, de revendedoras da Toyota, Lexus, Chrysler, Mercedes Benz, e tem 50% daTrip. As empresas de ônibus do Transcol e de Vitória são, em sua maioria, dessa familia.
O Senador Ricardo Ferraço é casado com Claudia Chieppe, e por isso sócio do monopólio do transporte no ES.

Aylmer Chieppe
Efetivo Delegado Representante Junto à FETRANSPORTES
ES


Carlos Chieppe Neto
Vix Transportes e Logístic
Membro Conselho Fiscal SINFREVI
2º Diretor Financeiro SINDLOCES
ES


Décio Luiz Chieppe
Suplente Diretor de Transporte na Modalidade de Fretamento SETPES
ES
Kaumer Chieppe
Diretor financeiro FETRANSPORTES
Titular Diretor de Transporte na Modalidade de Fretamento SETPES
Presidente SINFREVI
ES
Luiz Wagner Chieppe
Conselho Fiscal Efetivo TRANSCARES
ES
Patricia Poubel Chieppe
Diretor Secretário SETPES
Diretor Administrativo e Financeiro SINFREVI
ES
Simone Chieppe
Titular Comissão Recursal SETPES, Presidente GVBUS, Conselho de administração GVBUS,
ES


Nomes de Chieppe's dentro e fora do estado:
(Não são todos que pertencem a máfia do transporte, mas são todos da mesma origem familiar[Chieppe]).

Alexandre Otavio Chieppe
Alessandro Chieppe
Anna Chieppe
Bianca Chieppe
Carlos Chieppe Netto
Décio Chieppe
Décio Chieppe
Giuliana Chieppe
Jessica Chieppe
Juliana Chieppe
Karolina Chieppe
KAUMER Chieppe
Liliane Chieppe
Luis Gustavo Cais Chieppe
Luiz Wagner Chieppe
Luiza Chieppe
Marina Chieppe
Nilton Carlos Chieppe
Paulo Chieppe
Pedro Chieppe Ferraço (Pedro Chieppe Moura De Rezende Ferraço)
Renan Chieppe
Renan Chieppe
Riguel Chieppe
Sueli Chieppe
Suely Chieppe
Vera Chieppe
Vivian Chieppe

Márcia Pretti (Elevadores Atlas Schindler) e Wagner Chieppe (Aguia Branca) pais de Giuliana Chippe, Bernardo Chippe e Bruno Chieppe, que é casado com Leitica Serrão.

Ricardo Ferraço (Senador) casado com Claudia Chieppe Ferraço, pais de Pedro Chieppe Moura De Rezende Ferraço.

Por ai vai...

Tarifa Zero.

| Posted on terça-feira, fevereiro 08, 2011

Aqui os ônibus são intermunicipais, interligados por terminais. Pode-se pagar um passagem e ir de terminal em terminal o quanto tempo quiser, desde que não saia do terminal ou desça do ônibus.
Existe a Ceturb com fim específico de desempenhar as funções de competência do Estado, atribuídas pela Constituição Federal e regulariza e fiscaliza as 12 empresas associadas ao SETPES (Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Espírito Santo).

Nessa sexta feira, chegaremos ao sexto dia de manifestações. Faremos um ato junto a várias cidades do Brasil.
O primeiro ato (dia19/01/11) teve a finalidade de fechar uma importante avênida da capital.
O segundo ato, nos concentramos na Universidade Federal do Espirito Santo (UFES), e seguimos em marcha até a Terceira Ponte, que é a ponte que faz ligação entre a cidade de Vitória e Vila Velha. A intenção era abrir as cancelas para que os carros tivessem passe livre, a fim de denúncia outro abuso, que é o pedágio que funciona a 15 anos. Tempo o suficiente para ter tirado bem mais dinheiro do que precisava para custear a construção e manutenção da ponte.
Fomos impedidos pela elite da polícia militar do ES, o BME (Batalhão de Missões Especiais).
No terceiro ato, a finalidade foi a mesma, abrir as cancelas. A concentração dessa vez foi em frente a Assembléia Legislativa do Espirito Santo. Seguimos em marcha novamente em direção a Terceira Ponte. Na chegada já nos deparamos com inúmeros policiais portando armas de verdade, armas que disparam bala de borracha e com bombas de efeito moral, junto a cavalarias e vários cachorros.
Não avançamos em direção aos policiais, mas resistimos no meio da rua.
Fizemos uma negociação e os policias recuaram, e voltamos a Assembléia Legislativa.

O quarto ato, foi uma reunião em frente a Ceturb-GV, o qual compareceram 20 estudantes e mais de 150 policias da ROTAM.

No quinto dia do ato, fretamos 2 ônibus e nos concentramos em frente a UFES. Usamos os ônibus para chegar a Terceira Ponte ates da polícia.

Abrimos as cancelas com sucesso. Os carros tiveram passe livre até as 20:30, onde decidimos encerrar o ato.

No Sexto ato, dia 28/01, nos encontraremos na Assembléia Legislativa as 17horas e novamente abriremos as cancelas da ponte.

Em 2005, após 4 dias de manifestações, conseguimos a redução da passagem e o passe livre para estudantes do ensino médio e a meia passagem para estudantes de todos os níveis.

Lutamos pela redução do preço da passagem. Exigimos, além disso, mudanças na composição do COTAR e uma CPI de todo o sistema de transporte no ES. Além disso, algumas exigências pontuais como manter os ônibus funcionando por 24h e aumentar o número de linhas.

O movimento não tem porta-voz. Temos uma comissão de organização que é responsável também pelo diálogo com a imprensa e com o governo. Dessa comissão fazem parte cerca de 20 estudantes.

Continuaremos fazendo protestos até a passagem cair.

Ps: Os atos foram (em ordem) no dia 19/01, 20/01, 21/01, 24/01 e 25/01.

Fotos
1º ato, dia 19 - http://verd.in/7bj
2º ato, dia 20 - http://verd.in/zyx
3º ato, dia 21 - http://verd.in/71g
4º ato, dia 24 - Não tem
5º ato, dia 25 - http://verd.in/8oq

Crédito: Movimento Passe Livre Espírito Santo